Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

d'aquém e d'além

COISAS E COISINHAS DO NOSSO MUNDO augusto semedo

d'aquém e d'além

COISAS E COISINHAS DO NOSSO MUNDO augusto semedo

Um Pocinho onde nada acontece

Augusto Semedo, 01.02.07
Pocinho é uma localidade do município de Vila Nova de Foz Côa. Ali, onde outrora funcionavam as oficinas dos caminhos de ferro, é o fim de linha para quem viaja no Douro. Barca d’Alva foi riscada do mapa das ligações ferroviárias, como de resto a linha que saia dali em direcção ao interior mirandês.
Naquela terra, a dois passos das gravuras rupestres, tudo parece parado no tempo. A estação, bem conservada, contrasta com um passado ligado à ferrovia que dificilmente terá retorno. A antiga ponte rodoferroviária está em colapso (as placas não enganam), o bairro onde dantes habitavam os trabalhadores ferroviários está completamente ao abandono… Quem sai da estação não tem informações sobre as ligações a Foz Côa. “Hoje é sábado, não deve haver autocarro”, respondia, solicitamente, uma mulher de meia idade, a um forasteiro de mochila às costas. Um táxi, ali estacionado, esperava o primeiro e único cliente.
Jornais? Não há! No topo da rua, enquanto se espera pela ligação de volta ao Pinhão, um toldo anuncia o único restaurante que se vislumbra.
Ao fundo, a barragem indicia que o dia-a-dia de muita gente ainda passa por um Pocinho onde (quase) nada acontece.