Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

d'aquém e d'além

COISAS E COISINHAS DO NOSSO MUNDO augusto semedo

d'aquém e d'além

COISAS E COISINHAS DO NOSSO MUNDO augusto semedo

Testemunho de vandalismo, exemplo de desmazelo

Augusto Semedo, 29.08.08

As instalações do Centro Coordenador de Transportes de Albergaria testemunham frequentes actos de vandalismo e são exemplo de desmazelo na sua manutenção. Parecem antigas mas têm escassos 19 anos de vida...

Os fatos e gravatas de quem se engalanou para a inauguração deram lugar ao desolador aspecto actual - testemunhado agora por inúmeros cidadãos anónimos, que obrigatoriamente utilizam um espaço, qual sala de visitas para muitos, que devia ser convidativo e é agora inóspito.

Sociedade sem respostas para os monstros que criou

Augusto Semedo, 29.08.08

 

A PJ entrou em campo no caso dos quatro autocarros incendiados em Albergaria-a-Velha. No interior do Centro Coordenador de Transportes, novo acto de vandalismo - supõe-se - terá sido praticado por jovens. Testemunhas afirmam que se trata de gente com idades entre 18 e 25 anos. Talvez até já referenciados pelas autoridades policiais. Mas, continuam na rua a atentar contra o bem comum.

Não há Estado nem Instituição Social que trate desta gente. Mais do que condenar a uma exclusão ainda maior, que seja capaz de permitir a sua reabilitação.

Não terá sido "esta" sociedade a criar monstros disponíveis para as mais díspares atrocidades praticadas contra pessoas e bens? E que respostas tem ela agora para fazer face a esta onda de insegurança e desconforto moral? 

Do CCT de Albergaria à ER de Águeda - até quando?

Augusto Semedo, 29.08.08

Enquanto Albergaria se insurge contra a degradação de uma infra-estrutura construída há 19 anos, Águeda espera resignada a construção de uma estação rodoviária (o seu Centro Coordenador de Transportes…) reclamada seguramente há três décadas.

Se o CCT de Albergaria reflecte um pouco do que se passa pelo país – não basta construir, é preciso zelar pelos novos equipamentos -; a inexistência de uma estação rodoviária adequada e funcional em Águeda mostra a incapacidade dos poderes públicos resolverem problemas sentidos há muito.

Se o então moderno e funcional equipamento de Albergaria é vítima de um certo modo de estar na vida (atracção pela destruição…) com que alguns vão manifestando ausência de sentido cívico e um espírito miserabilista; a anacrónica e degradante estação rodoviária de Águeda enfrenta, entre outros problemas, questões de segurança que só não estarão mais expostas porque ainda não morreu ali gente.

Se o CCT de Albergaria (agora abandonado…) mereceu honras de inauguração, com o inevitável desfile de figuras proeminentes da época; a almejada ER de Águeda vai originando negociações tão complicadas, mas tão complicadas, que apodrecem antes do fruto.

Falta brio e consistência em sociedade de pompa e circunstância.

 

Nota: Este texto tem alguns meses. Foi escrito a propósito de um trabalho jornalístico de José Manuel Alho sobre a degradação do CCT de Albergaria, publicado nas páginas do RA. Republico-o na sequência dos actos de vandalismo verificados esta semana naquele local - que chegaram ao que julgamos ser o extremo. O texto manter-se-á actual até quando?