COISAS E COISINHAS DO NOSSO MUNDO augusto semedo

12
Abr 08

Lembro-me vagamente do "Vouguinha", da locomotiva a vapor e das carruagens com bancos em madeira, como o dos jardins da época, e dos estrados também em madeira. Nele, ia uma vez por ano a Aveiro, à Feira de Março lá em baixo no Rossio, reivindicar a compra de uns 'stickes' e umas quantas bolas, em madeira já se vê, para jogar hóquei no pátio da garagem lá de casa. Faltavam-nos os patins mas fazíamo-nos de Livramento, Chana, Rendeiro, Ramalhete... de todos aqueles nomes que escutávamos nos vibrantes e triunfais relatos radiofónicos.

Os comboios eram um fascínio, não fosse a estação a poucos metros do casarão dos meus avós, ele um ferroviário aposentado da Linha do Vouga e ela uma professora primária com trabalho reconhecido na Sernada, onde até - por persistente vontade dos seus alunos - deu o nome a uma rua.

Recordo-me do grande incêndio, dizem que provocado pela velha locomotiva movida a carvão, que com dificuldade serpenteava pelo Vouga acima. Da interrupção e da sentença que pôs fim à sua circulação. E do dia em que o comboio voltou, agora a gasóleo, recebido em Águeda por uma imensa multidão que se acotovelou na estação e nos espaços envolventes. "O povo, unido, jamais será vencido!" e "o povo é quem mais ordena!" - gritava-se.

A curiosidade depressa deu lugar à desilusão e, pelo tempo adiante, à resignação. As novas locomotivas, afinal, eram velhas de onde vieram; avariavam e abanavam muito. E outras existiam, pequeninas e castiças, mais parecidas com uma carrinha que com um comboio. Com mudanças e tudo! Os passageiros esgotavam os escassos lugares e, invariavelmente, disputavam o apertado espaço que restava. Autocarros da própria empresa possibilitaram entretanto outros horários ou a substituição das cansadas automotoras...

Surgiu entretanto a ideia do metro de superfície. Era preciso modernizar. As câmaras encomendaram um estudo técnico e de viabilidade. Já lá vão quase duas décadas. Avançará algum dia?

A estação está fechada. Os utentes esperam na rua. Esperam ainda mais quando o material avaria. Já nem protestam.

Uma cidadã aguedense, há muito radicada longe mas regressada por uns dias à sua terra, comentou com perplexidade: "- Aquela gente aceita tudo com uma naturalidade que nunca vira nos meus tempos. Como sendo uma fatalidade... como se Águeda nada valesse! Eu é que me senti escandalizada por não reconhecer esta resignação!"  

publicado por Augusto Semedo às 12:15
tags:

Abril 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29


mais sobre mim

ver perfil

seguir perfil

2 seguidores

pesquisar neste blog
 
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

blogs SAPO