COISAS E COISINHAS DO NOSSO MUNDO augusto semedo

20
Out 07

Ontem, quando chegava a casa de mais um treino, sou surpreendido com uma chamada telefónica do Miguel Cunha. A Rádio Botaréu entrevistava o Mico, recentemente saído da BARC, onde desenvolvera bom trabalho, e a equipa em estúdio queria fazer-lhe uma surpresa.

Gostei. O Mico foi o único atleta que fez comigo todos os meus primeiros sete anos como treinador do Recreio. Acompanhei-o dos iniciados aos seniores.

No seu primeiro ano como sénior, participávamos com sete ex-juniores na 2ª divisão nacional, conseguiu a titularidade, jogando com regularidade.

Estreei-me como treinador principal em 1992, precisamente nesse seu primeiro ano como sénior. É verdade! Na Covilhã, perante o Sporting local. Em Março. Aos 4 minutos ficámos a jogar com 10, por expulsão do jovem avançado poveiro Paulo Oliveira. Mas ganhámos por 1-0! Ironia do destino, foi Mico quem, com um pontapé canhoto de fora da área, fez o golo do êxito a um quarto de hora do fim.

Que estreia! Apesar da viagem, naquele autocarro Toyota de 1982, com 18 apertados lugares e 10 horas sentados (cinco para cada lado), nem dormi. No dia seguinte, antes das oito da manhã, já andava a pé! Comprei jornais. Vivi o momento! Não completara ainda 29 anos.

A deslocação conheceu episódios para contar. O condutor do nosso autocarro tinha pavor ao IP5 e descia frequentemente com a segunda engatada. O barulho do motor era insurdecedor e circulávamos a passo de caracol... Foi o Arsénio, que viajava ao lado do condutor, mais do que um co-piloto, o seu guia espiritual.

- Meta a terceira!... E ele metia. - E agora a quarta!...

Nas apertadas curvas à saída da Guarda, feitas em contra mão com medo do imenso precipício que surgia à sua direita, foi o Arsénio quem controlou o pânico de quem guiava mais 18 vidas.

No regresso do jogo, novamente na Guarda, o jantar do condutor ficou no prato, tal o pavor de ter de regressar pelo IP5.

Chegámos, porém, sãos e salvos a Águeda. Com 3 pontos na bagagem e eu visivelmente eufórico com uma estreia no momento prometedora. Santa inocência...

P.S. - Hoje, no mesmo clube, treino jovens atletas nascidos em 1989 e 1990. São juniores. Estariam no infantário. Destaco a excelência da formação humana de alguns e o enorme potencial futebolístico de outros. No tempo do Mico, porém, e chegados a juniores, a habituação à exigência era uma realidade adquirida e perfeitamente cimentada. 

publicado por Augusto Semedo às 22:00

Outubro 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
12
13

14
16
17

21
23
25
27

28
29
30


mais sobre mim

ver perfil

seguir perfil

2 seguidores

pesquisar neste blog
 
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

blogs SAPO