COISAS E COISINHAS DO NOSSO MUNDO augusto semedo

11
Set 08

A Ryanair queria instalar uma base no aeroporto Francisco Sá Carneiro no Porto mas cansou-se de esperar por uma decisão. Pretendia, em contrapartida ao aumento de frotas e, em consequência, do número de passageiros, uma redução de quatro euros nas taxas praticadas naquela estrutura aeroportuária. Criava 200 postos de trabalho.

A decisão da ANA demorou e Barcelona será a beneficiada. Espanha aproveita o que rejeitamos, vá lá saber-se porquê.

Quem se der ao trabalho de simular rotas no sítio da Ryanair na Internet verifica facilmente que o aeroporto do Porto é aquele que já pratica taxas mais elevadas.

A criação de uma base significava que os aviões passavam a pernoitar no Porto, com vantagens obvias para todos: para o próprio aeroporto - uma estrutura excelente mas com movimento reduzido face ao potencial que revela - e para a região. Aumentaria o número de passageiros a pernoitar na região e estimulava-se a oferta turística e a interactividade em variadíssimas áreas.

Há companhias de baixo custo que operam a partir de Espanha. Nem é preciso que sejam espanholas. As rotas da Air Berlim passam pelas ilhas baleares; a Clickair obrigatoriamente utiliza Barcelona para as ligações aéreas. Como muitas ligações não são imediatas, constituem um factor - a juntar a outros bem conhecidos - que contribui para a dinâmica das cidades.

O dossier da Ryanair é mais um exemplo de que a alegada falta de competitividade lusa está, também e muito, nas estruturas dirigentes e na ditadura das conveniências de uma minoria. A ANA e o Ministério das Obras Públicas, Transportes e Comunicações ainda nada disseram, apesar de convidados a explicarem-se. Pudera... Há coisas que não têm explicação racional e nós estamos já demasiadamente fartos de desculpas de mau pagador.

Vão-se lixar!

publicado por Augusto Semedo às 09:22

08
Set 08

"Boa noite... hoje é quarta-feira!" O público, que esperava por um nome conhecido da música portuguesa, desconfiou. O artista não articulava frases, enrolava a língua, não conseguia dialogar com o público, desafinava.

Decidiu, às tantas, fumar um cigarro, beber uma cerveja e colocar os pés em cima do teclado do piano. E quando se propôs cantar uma das mais conhecidas, não conseguiu entoação semelhante à que diariamente nos oferece o musical do genérico de uma telenovela.

Afinal, o artista faltou ao seu compromisso. Que estará assinado e que terá sido pago. Virou costas aos fans que alimentavam a esperança de o poder ver ao vivo.

Alguns, provavelmente, ainda hoje acham que o terão visto bem ali à sua frente - condescendendo com comportamentos que não perdoam a outros cidadãos - mas o espectáculo degradante a que assisti não passou de uma sessão de karaoke.

P.S. - A equipa que proporciona a festa do leitão - e que pelo seu trabalho muito profissional está de parabéns - não merecia esta desfeita. 

publicado por Augusto Semedo às 17:51
tags:

Setembro 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30


subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO