COISAS E COISINHAS DO NOSSO MUNDO augusto semedo

20
Mar 07

Se ganhámos o jogo anterior porque o primeiro facilitou perante o último, como se escreveu, desta vez a nossa vitória aconteceu porque eles foram bons rapazes... Ou foi porque tivemos sorte? Ou porque... inventem qualquer coisa!!!

Podem, alguns, não ter dado conta mas a equipa regenerou-se! Estava profundamente atolada e soube, com coragem e determinação, acreditando cada vez mais no potencial de cada um e melhorando colectivamente, somar 13 pontos nos últimos 7 jogos (21 possíveis).

Saberão que, neste período de sete jornadas, aquele Recreio de Águeda precocemente condenado (9 pontos em 13 jogos, à 14ª jornada) é a segunda equipa mais pontuada da série C, atrás do Anadia? Não merecerá, este grupo que transporta consigo o peso da história de um clube que não é de bairro, que se lhe descubram os méritos? Não merecerá, este grupo que trabalha todos os dias para superar as contrariedades de uma época contranatura, mais respeito?

A quem interessa ignorar méritos e promover a incompetência? A quem interessa desrespeitar todos os dias este clube? E porquê?

Faltam oito jogos para o fim. Saímos, pela primeira vez esta época, dos lugares de descida. Mas a série é "louca" e não permite antecipar previsões. E o final dos campeonatos reserva-nos surpresas maiores.

O que ganhámos nós em sete jornadas? Apenas o direito de lutar pela manutenção e ter hoje uma vantagem sobre quatro concorrentes directos. Apenas, entre aspas, porque representou um esforço acrescido e altamente meritório. Impensável, talvez; ainda para mais quando defrontámos o Anadia (1º), Milheiroense (2º), Tondela (3º), Valecambrense (7º), Oliveira do Hospital (6º) e Social Lamas (5º)... mais o Tocha.

É mais fácil hoje antecipar um futuro positivo mas as dificuldades serão maiores nesta recta final da prova. Com equilíbrio, seriedade, humildade, concentração e coesão a equipa deve saber (e vai certamente) aproveitar a confiança que tão bons resultados lhe trouxeram para conseguir ultrapassar o que aí vem. Com o apoio dos muitos Aguedenses que continuam a respeitar verdadeiramente um dos maiores símbolos da sua terra! 

Equipa/grupo = 3 treinadores, 2 enfermeiros, 25 jogadores. Todos juntos, apoiados por uma estrutura (clube), que depende de quem desempenha funções directivas e dos que acompanham e vivem as incidências de um trajecto!  

publicado por Augusto Semedo às 12:06

10 comentários:
Mister Semedo voce é o maior.

O Maior que passou por aquele banco em 80 anos de história.

A equipa joga o melhor futebol deste campeonato.

Tem todo o meu apoio para tudo o que deseje.

Vamos Recreio!!!!
Joao Branco a 20 de Março de 2007 às 16:12

Meu caro Semedo. Porque será que noto neste comentário alguma insatisfação com as pessoas? As mesmas que já te criticavam quando passaste pelo Recreio na última vez? Sim, é verdade que é fácil tirar o mérito a quem ganha no terreno do primeiro. Mas a prova do bom trabalho são os resultados recentes. O resto é música de quem, não vendo os jogos, vai tentando fazer juízos de valor por aquilo que lhes vão dizendo. Para os que não vêem, um conselho apenas: vão ver os jogos e façam as vossas críticas. Porqque, quem como eu, viu o Recreio de Águeda em Tondela, só pode dizer que esta equipa tem valor para ficar na 3ª divisão. Para que o consiga, só tem de continuar o trabalho desenvolvido até agora. E o prémio virá naturalmente... Da minha parte, PODEM CONTAR COMIGO. Saberei assumir as minhas responsabilidades, desejando as maiores venturas e êxitos ao Recreio de Águeda, mas também ao resto dos clubes do concelho. Mas, para ti, Semedo, é preciso saber continuar a trilhar o caminho do êxito. Quem trabalha bem, acaba sempre sendo reconhecido. Um abraço
PS: Para quem pensava que não nos dávamos e fica surpreendido com os meus comentários uma palavra: a conversar, ultrapassam-se todas as divergências...
Miguel Cunha a 20 de Março de 2007 às 17:17

Não, não estou descontente com a generalidade das pessoas. Hoje, quem vai ao estádio e acompanha a equipa nos jogos, casa ou fora, sente-se envolvida. Participa nas dificuldades e comunga do sentimento de satisfação ou de frustração que a todos invade logo que confrontados com o resultado final. Felizmente, na maioria das vezes desde Janeiro, o primeiro tem sido o sentimento dominante. E espero que assim continue...

Registo, com agrado, o apoio constante que tenho recebido, essencial para o meu trabalho!

Haverá excepções? Certamente. Pior cego é aquele que não quer ver. E há quem prefira chafurdar na lama, única forma de poderem ainda ser lembrados; não suportam sucessos alheios e confundem um êxito colectivo com contradições / conflitos pessoais, originados pela impotência crónica de não saberem fazer.

Mister Semedo:

Uma resposta algo enigmática que por mais vezes que leia nao consigo tomar uma hermeneutica adequada ao real sentido elementar de tais frases!

Só espero que nada tenha a ver com as minhas condutas perante a Instituiçao Recreio Desportivo de Águeda.

Grandes cumprimentos!
Domingo farei de tudo para estar em Paços de Brandao a apoiar o Recreio!

Joao Branco a 23 de Março de 2007 às 16:45

o teu grande problema é andares a fazer sempre comparações, com outros treinadores. faz o teu trabalho e não te compares a ti próprio com os outros. só te desvalorizas com isso. cais muitas vezes no ridículo . trilha o teu caminho independentemente dos outros, acredita que és mais valorizado pelas pessoas que não gostam de ti. é um conselho , não é uma critica destrutiva
Anónimo a 10 de Abril de 2007 às 18:53

Haverá no texto a intenção de fazer comparações? Observar a realidade encontrada para sublinhar o trabalho DA EQUIPA é fazer comparações? Mostrar algum desencanto por reacções que visam retirar mérito é assim tão ridículo? Ou ridículo não será, por exemplo e entre outras coisas, um jornal de Águeda ter escrito que o primeiro (Tondela) só perdeu com o último (Águeda) porque facilitou, ignorando o trabalho que a equipa fez?
Devo ter-me expressado mal, certamente. Peço desculpa por isso. E talvez tenha de estar calado qd considero que o clube tem sido perseguido por comentários e posições mais ou menos públicas que vêm denegrindo a sua imagem há vários anos, quando outros, em situações às vezes bem mais negativas, não são confrontados com o mesmo tratamento.
Faço o meu trabalho. Totalmente concentrado no hoje. Se tem dúvidas pergunte a quem trabalha diariamente comigo no terreno. E sei o que me reserva o futuro, não alimento ilusões.
Para finalizar: um conselho é sempre de ter em conta, mas deve ser feito assumindo a identidade.

tens razão naquilo que dizes. ninguém te a tira. o que eu te digo é que em Águeda não te dão o valor que realmente tens. muitas vezes tenho a sensação que quando te chamam para treinar (no recreio entenda-se) não são convites consensuais, está sempre alguém à espera que falhes para dizer que a culpa é tua....
o que dizes é verdade. são factos, não invenções. o que fica mal é seres tu a dize-lo. não sei se me estou a fazer entender ? nem sempre fica bem ser juiz em causa própria.
ganhar quer seja ao primeiro quer seja ao ultimo é sempre ganhar! são 3 pontos! não há distinção no final!
por outro lado como bem sabes, Águeda sobre de um grande mal, que é a inveja. compreendo que às vezes é revoltante ouvir e ler e ficar calado, mas na sociedade em que vivemos às vezes é pior.
como te disse anteriormente trilha o teu próprio caminho sem "olhar" a 'vozes de burros'
Anónimo a 11 de Abril de 2007 às 14:23

Repito que nunca foi minha intenção comparar os meus trabalhos com os dos outros. E quem me conhece bem sabe que nem sequer comento opções e decisões de outros treinadores porque, como um deles, sei que só estando na posse do maior número de elementos (que só quem está efectivamente no comando da sua equipa possui) se pode fundamentar na plenitude uma opção/decisão.
O exemplo dado - a vitória em Tondela - surgiu apenas como tal. Mas lá está: na semana que se seguiu podia ter-se valorizado a boa reacção da equipa a uma derrota caseira em vez de, como sucedeu com muitos, ter-se insistido que se tinha perdido com o Tocha. Portanto, mais importante que se ter ganho em Tondela, onde pouca gente contaria, e da capacidade da equipa em reagir a um resultado anterior negativo, preferiu-se (ainda, ainda...) insistir que a equipa havia sido derrotada em casa. Afinal de contas, pior teria sido perder-se em casa e depois não ter capacidade para reagir, perdendo o jogo seguinte também. E só quem sabe pode avaliar o que foi preciso fazer para dar a volta às cabeças que foram capazes de ganhar em Tondela.
Mas, enfim. Não consigo evitar o 'confronto' entre a vontade de fazer e a realidade que me enfrenta há muitos anos. Entre olhar para o clube e ver a possibilidade de poder contribuir para o desenvolver desportivamente; e o sentir que, mais uma vez, não há espaço para a ilusão... de construir.
Como confidenciava a um dos meus enfermeiros, na semana seguinte à 3ª vitória consecutiva (portanto, num momento bom da época), para surpresa deste: vejo com muita dificuldade a minha continuidade no RDA. Mais uma vez.
Eu sou o primeiro a sentir o que se passa à minha volta. Sei o que tenho passado ao longo da minha carreira como treinador de futebol; por isso, e contrariando alguns que me têm incentivado, vivo apenas o momento - que é de grande exigência a todos os níveis. E se este é um momento de grande exigência, tenho também a consciência de que só o é porque não fui capaz de resistir às pressões e à vontade de ajudar, esquecendo episódios marcantes pela negativa a favor de uma evidência: também devo mto do que sou ao RDA.
Mas, atenção: só respondo pelo período em que exerço a actividade. Querem culpar-me de alguma coisa? Só se for porque, depois do meu regresso, voltou a ser alimentado o sonho da permanência. Porque já estavam conformados com a descida. Ou haverá quem prefira ver o RDA nos distritais?

caro Semedo, perdoa-me a questão, mas cá vai: ao dar uma vista de olhos pelo teu blog vejo comentários positivos ao teu trabalho por parte do Miguel cunha e do Jorge costa, sendo que tu trabalhas no outro jornal de Águeda , o que me estás a dizer é que, um deles, no jornal onde trabalha não te dá o mérito que devia e depois de uma forma mais 'escondida' te vem para aqui apoiar? pode depreender isso das tuas palavras e dos comentários deles, ou é um erro de interpretação?
Anónimo a 13 de Abril de 2007 às 15:59

Caro anónimo. Não sou cobarde e, por isso, não me refugio neste tipo de subterfúgio. Assumo as minhas posições e não critico no jornal para vir para aqui mandar "papaias". Acho que o recado do Semedo vai para quem, não vendo os jogos, faz o seu trabalho. Se quiser, e só falo por mim, pode ver as crónicas do Litoral Centro. Por isso é que somos diferentes... Estamos e fazemos porque vemos. Não ficamos sentados a ouvir o trabalho dos outros. Desculpe, mas tinha de me vir defender, porque quem cala consente. E da próxima vez, identifique-se. E, já agora, eu e quem acompanha o Recreio, sabe para quem são os "recados" do Semedo. Cumprimentos....
amarprofundo a 13 de Abril de 2007 às 18:09

Março 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
16
17

18
19
24

25
26
29
30
31


mais sobre mim

ver perfil

seguir perfil

2 seguidores

pesquisar neste blog
 
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

blogs SAPO